’12/08/2020’

Professores do Amazonas confirmam greve para a próxima segunda-feira (15)

Professores do Amazonas confirmam greve para a próxima segunda-feira (15)
A data-base dos trabalhadores do Estado venceu no dia 1º de março | Foto: Priscila Rosas

 

É oficial. Os professores da rede estadual do Amazonas aprovaram a greve da categoria nesta terça-feira (9). A paralisação, no entanto, começa oficialmente na próxima segunda-feira (15). O indicativo de greve foi votado durante assembleia geral feita pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), que começou às 16h na quadra do Rio Negro Clube, no Centro de Manaus.

De acordo com o Sinteam, aproximadamente 8 mil professores participaram da reunião. Mesmo com a ameaça do governo de aplicar falta para evitar que os trabalhadores aprovassem um indicativo de greve, a categoria decidiu paralisar a partir do dia 15.

O próximo passo do sindicato é comunicar o Governo do Amazonas e a sociedade em geral sobre a greve. A Lei afirma que somente 72h após o comunicado oficial é permitido fazer a paralisação.

“Amanhã (quarta-feira) avisamos formalmente o governo e a partir daí começa a contar o prazo. Se não houver nova reunião e uma proposta melhor nesse período, a greve inicia na segunda-feira, dia 15. Estamos em estado de greve”, explicou a presidente do Sinteam, Ana Cristina Rodrigues.

Professores do Amazonas confirmam greve para a próxima segunda-feira (15) 1
A data-base dos trabalhadores do Estado venceu no dia 1º de março | Foto: Priscila Rosas

 

Desde fevereiro, o sindicato negocia o reajuste salarial dos trabalhadores da Educação. Houve avanço nas pautas secundárias, mas no percentual de aumento, há um impasse.

Segundo a presidente, Ana Cristina Rodrigues, o diálogo com o governo praticamente cessou porque a categoria busca uma audiência com o governador Wilson Lima há quatro meses, mas não houve resposta.

Conforme o Sinteam, os trabalhadores da Educação ficaram de 2015 a 2018 sem reposição salarial e pediam 30% de reajuste no ano passado. Depois de uma greve de 18 dias, eles conquistaram um reajuste de 27,02%, cuja última parcela foi paga em janeiro desse ano.

*Com informações da assessoria

Deixe uma resposta