Condenada por enriquecimento ilícito, Glória Carratte é pressionada a deixar presidência da Comissão de Ética da CMM

Condenada por enriquecimento ilícito, Glória Carratte é pressionada a deixar presidência da Comissão de Ética da CMM
MANAUS, 03/03/21 VEREADORA GLORIA CARRATTE (PL) DISCURSANDO NO PLENARIO DA CAMARA MUNICIPAL DE MANAUS. FOTO: ROBERVALDO ROCHA / CMM

Em fevereiro deste ano, a vereadora de Manaus Glória Carratte (PL) foi condenada pelo juiz Leoney Harraquian, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Manaus, no âmbito de uma ação movida pelo Ministério Público do Amazonas, a devolver R$ 3,3 milhões aos cofres públicos por enriquecimento ilícito em ação sobre ONGs. A sentença alcançou o ex-deputado estadual Miguel Carratte, que é marido de Glória, e o ex-secretário de Saúde do Amazonas Francisco Deodato Guimarães.

De acordo com o juiz, Glória e Miguel Carratte usaram ilegalmente servidores públicos pagos com dinheiro da CMM e da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) para trabalhar na Casa de Saúde Santa Clara e na Casa de Saúde Associada da Compensa, de propriedade deles.

Ainda conforme o magistrado, as entidades receberam dinheiro da Secretaria de Saúde do Amazonas através dos convênios nº 31/1999 e 19/2000, cada um no valor de R$ 840 mil. O primeiro teve dois aditivos, um de R$ 420 mil e R$ 280 mil, e o segundo foi aditado mais de doze com o mesmo valor.

Harraquian mandou os três condenados devolverem R$ 1,6 milhão referente ao Convênio nº 31/1999 e R$ 1,5 milhão referente ao Convênio nº 19/2000. Conforme a sentença, o valor deverá ser atualizado pelo IPCA-E da data do ajuizamento e juros de mora de 1% ao mês a contar da citação.

A denúncia do MP afirma que Glória e Miguel utilizaram sua posição na Câmara e na Assembleia Legislativa para “enriquecer ilicitamente usando da mão de obra paga pelo erário, para favorecer assim, a empresa dos réus”.

Pressão
A permanência de Glória Carrate na presidência da Comissão de Ética da Câmara Municipal de Manaus está sendo questionada após a divulgação da condenação.

Ela está sendo pressionada por alguns vereadores que fazem parte da Comissão de Ética a deixar o cargo, pois o regimento interno da Casa diz que em casos como esse é necessária uma suspensão até que a parlamentar seja inocentada da condenação.

Vale lembrar que a decisão é em primeira instancia e ainda cabe recurso.

BBB21
Nesta semana a vereadora se envolveu em polêmica que teve repercussão nacional quando usou a tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM), para comentar o beijo entre Gilberto e Fiuk, no Big Brother Brasil 21. A fala da parlamentar repercutiu tanto que foi parar no Instagram do apresentador do programa, Tiago Leifert e do cantor Fiuk.

Glória afirmou que o episódio foi uma “vergonha” e “falta de respeito com a sociedade”. “Estamos primando sempre pelo bom comportamento, pela criação dos nossos filhos, uma vez que tudo está banalizado. Os valores se inverteram. É uma vergonha o que apareceu e o que está nas redes sociais. Os dois se beijando e a Globo mostrando isso”, afirmou Carratte.


Fonte: Am Post

Deixe uma resposta