Deslizamento em rota turística no Chile deixa duas crianças brasileiras mortas

Deslizamento em rota turística no Chile deixa duas crianças brasileiras mortas

Agência estadão l Duas crianças brasileiras de 3 e 7 anos morreram ontem, 3, depois de serem atingidas por uma rocha no reservatório El Yeso, em San José de Maipo, a cerca de 60 quilômetros da capital chilena Santiago.

De acordo com informações da polícia, no momento do acidente as duas meninas estavam uma área cujo acesso era proibido. A responsabilidade do gestor turístico da área está sob apuração.

As duas viajavam com seus pais em um micro-ônibus de turismo com outras vinte pessoas. De acordo com a polícia, a criança mais jovem morreu no local, enquanto a menina de 7 anos ainda chegou a ser socorrida, mas morreu em um centro médico.

Em razão da emergência, um helicóptero da brigada policial foi deslocado para o local na tentativa de realizar o resgate. Os policiais informaram que o acidente aconteceu na rota G-455, na altura do km 22, em San José de Maipo.

O governo local informou à imprensa que as crianças foram atingidas pelas rochas que deslizaram em um local onde há sinais de advertência sobre o perigo da área. A administração provincial acrescentou que pode haver responsabilização por parte dos agentes de turismo.

“Há sinais, os operadores turísticos sabem como isso funciona, existe uma lei municipal, o município está constantemente em contato com os operadores turísticos. Existem regras claras em vigor e eles são de conhecimento público “, declarou Mireya Chocai, do governo local.

Segundo a investigação policial, o veículo que levava os vinte turistas passou por uma barreira localizada na área de La Cortina e que impede o tráfego por razões de segurança. Nesse local, os turistas começaram a realizar uma caminhada quando aconteceu o deslizamento que atingiu as menores.

O acidente acontece quase duas semanas depois da morte de seis turistas brasileiros em um apartamento no bairro Bellas Artes, no centro de Santiago, por intoxicação por monóxido de carbono.

Deixe uma resposta