Seleção feminina pode garantir classificação com apenas um empate contra a Itália, nesta terça-feira (18)

Seleção feminina pode garantir classificação com apenas um empate contra a Itália, nesta terça-feira (18)

A seleção brasileira feminina precisa ao menos de um empate com a Itália nesta terça-feira para garantir vaga às oitavas de final da Copa do Mundo da França. Mas, dependendo de outros resultados da rodada, existe também a possibilidade de avançar mesmo com derrota.

Na competição classificam-se os dois primeiros colocados de cada chave além dos quatro melhores terceiros colocados. O Brasil venceu na estreia a Jamaica por 3 a 0 e depois perdeu para a Austrália por 3 a 2. Ocupa a segunda colocação no Grupo C com os mesmos três pontos das australianas. A Itália lidera com seis.

A Austrália, também nesta terça-feira, encara a lanterna Jamaica e a tendência é que vença. A boa notícia para a seleção brasileira é que os jogos do Grupos E e F deram a lógica nas rodadas iniciais. As favoritas venceram e as outras duas seleções de cada chave ainda não pontuaram. Ou seja, poderão chegar no máximo aos três pontos.

No treino de deste domingo do Brasil, as atacantes Andressa Alves e Cristiane e a zagueira Kathellen fizeram trabalho a parte, mas devem estar em campo. A única baixa certa será a volante Formiga, suspensa e em recuperação de entorse no tornozelo. Luana deve ser a substituta.

“Tenho certeza que quem o professor Vadão escolher para a vaga vai fazer o melhor. A gente tem tudo para conseguir essa vitória. A Formiga é uma perda grande, mas acredito que quem está no banco também é bem competente para entrar e não deixar o nível cair”, analisou a volante Thaisa, que atua no Milan.

No duelo com a Itália, ela jogará contra seis companheiras de equipe. “Vai ser uma experiência diferente, será a primeira vez que jogarei contra elas. Mas dentro de campo é rivalidade, e eu espero sair vencedora.”

Thaisa tem 30 anos e está disputando sua segunda Copa do Mundo da carreira. Ela chegou ao Milan em setembro do ano passado depois de já ter passado também no futebol sueco, islandês e norte-americano.

“Acho que o futebol italiano agregou no meu jogo a parte tática. A Itália é conhecida pela tática. Acho que o jogo contra elas vai ser difícil, elas estão bem taticamente, mas nós temos muito potencial. A gente tem estudado muito elas e vamos determinadas para uma vitória.”

Fonte: R7.com

Deixe uma resposta