TRE-AM desaprova prestação de contas de Saullo Vianna

TRE-AM desaprova prestação de contas de Saullo Vianna
Foto: Reprodução/Internet

Pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas seguiu os pareceres do órgão técnico do TRE e do Ministério Público Eleitoral e por unanimidade desaprovou as contas de campanha do deputado estadual eleito Saullo Vianna (PPS).

O desembargador eleitoral José Fernandes Júnior, relator dos autos, acompanhou os pareceres e disse em seu voto que não há dúvida da existência de violação na prestação de contas parcial do deputado eleito caracterizada,segundo ele, como infração é de natureza grave.

Ele destacou, também, problemas quanto à entrega dos relatórios financeiros referente à cinco doações. As doações somam R$ 175 mil, ou seja, quase 40% das despesas de campanha de Saullo.

“O problema não está no atraso, mas no percentual em relação à totalidade das contas”, acrescentou o relator, que lembrou no início do julgamento que o deputado eleito estar preso.

Pareceres pela desaprovação

De acordo com parecer do órgão técnico foram identificadas na prestação de contas de Saullo Vianna algumas irregularidades que não foram devidamente esclarecidas e sanadas.

O procurador regional eleitoral, Rafael Rocha, também, emitiu parecer pela desaprovação das contas de Saullo Vianna. De acordo com o representante do MP, o deputado eleito demonstra total desinteresse em atender às disposições legais.

Entre as irregularidades estão a ausência de relatório financeiro, não contabilização de doações estimadas, que somam quase 85% dos recursos estimadas, não rateio de despesas com transportes e problemas em doações que fez para outros candidatos.

Prisão

O deputado eleito Saullo Viana está preso temporariamente desde a última sexta-feira (7), pela Polícia Federal (PF), por determinação do juiz Marllon Sousa, da 2ª Vara Federal, acusado de corrupção e de associação criminosa, portanto está ameaçado de perder o mandato. O estreante na política foi o nono deputado mais votado na disputa da Assembleia Legislativa do Estado, obteve 27,8 mil votos, sendo 6 mil de Parintins, onde tem raízes.

Neste domingo (9), Saullo Viana teve o pedido de habeas corpus negado, o desembargador plantonista entendeu que a soltura de Saullo pode atrapalhar as investigações sobre supostas fraudes nas últimas eleições no Amazonas em 2018. O político está preso desde a sexta-feira (07), no Centro de Detenção Provisória Masculino 2, na BR 174, quilômetro 8, em Manaus.

Deixe uma resposta