Escoteiros arrecadam alimentos para famílias vítimas da Covid-19 em Manaus

Escoteiros arrecadam alimentos para famílias vítimas da Covid-19 em Manaus
Alimentos foram entregues nesse sábado, 13, às famílias (Reprodução/Divulgação)

A campanha de “Solidariedade Escoteira” realizada por voluntários, dirigentes e escotistas de todo o País arrecadou mais de 100 cestas básicas, equivalente a uma tonelada em alimentação, para doar às famílias vítimas da pandemia do novo coronavírus em Manaus, capital do Amazonas. O Estado vive o ápice da segunda onda da Covid-19.

Segundo a organização, chefes das mais diversas regiões do Brasil se mobilizaram para conseguir recursos financeiros para o movimento. Ao todo, mais de 150 pessoas ficaram responsáveis por difundir e divulgar a campanha em todo território nacional. O montante arrecadado de mais de R$ 4 mil foi revertido para a compra dos alimentos.

Uma força-tarefa realizada na tarde desse sábado, 13, foi montada pelo grupo para realizar a entrega das cestas para as famílias cadastradas no movimento escoteiro em Manaus. Os Escoteiros do Brasil desempenham papel, de forma informal, para educar de crianças a adolescentes em mais de 216 países e territórios, sendo uma das maiores Organizações Não Governamentais (ONGs) para esse público.

Veja também: Mais de 14 milhões de famílias vivem na extrema pobreza, maior número desde 2014

Por outro lado, no País com mais de 14 milhões de famílias em situação de extrema pobreza inscritas no Cadastro Único, segundo o Ministério da Cidadania, o Movimento Escoteiro acolhe crianças, jovens e adultos de baixa renda e, devido à nova onda de infecção da Covid-19 na cidade de Manaus, vem ajudando as famílias sem condições de manter o próprio sustento.

Doações

Em todo o Estado, além de lutar contra a Covid-19, as famílias mais vulneráveis também lutam contra as dificuldades causadas pela pandemia, como a falta de alimentos. Desde de janeiro deste ano, mês marcado pela alta de casos e mortes pelo novo coronavírus no Amazonas e, ainda, o surgimento da cepa mais transmissível, comunidades amazônidas vêm buscando ajuda para enfrentar a crise e a fome.

Veja também: Famílias do Quilombo de São Benedito arrecadam doações para enfrentar o novo Coronavírus

Quilombolas do Quilombo de São Benedito, no bairro Praça 14, na Zona Sul de Manaus, onde residem mais de 150 famílias, conversaram com a REVISTA CENARIUM, à época, e falaram sobre a difícil situação que vem assolando os moradores da região existente há 130 anos e que é considerada como Patrimônio Imaterial do Amazonas.

———-

Fonte: Revista Cenarium

Deixe uma resposta